Siga por E-mail

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

O Pop em Guerra


Já não é de hoje que vejo por aí briguinhas e intrigas no meio da música, principalmente no pop feminino, onde o ego das mulheres são bem maiores e tudo é mais competitivo.
Nos últimos tempos, surgiram milhares de novas cantoras ( e também sumiram várias)
o fato é que a coisa ta pegando fogo.
Eu cansado disso tenho uma visão (de fã) sobre o assunto.
O fãs de Madonna acham que ela é eterna e insubstituível, os fãs de Britney acham que ela é a maior estrela pop da década, os fãs de Aguilera acham que ela é a única com poder e talento vocal e os fãs de GaGa acham que ela veio inovando e deixar outras pra trás.
O fato é que todos eles têm razão até certo ponto, porque nenhuma dessas verdades é absoluta.
Madonna conseguiu se manter como única estrela pop desde os anos 80, quase todos os ícones da época morreram com o início de 90. Somente ela conseguiu se inovar e se reiventar. Madonna é esperta e usa na cara dura as referências da moda. Eu não sou o maior expert nela, comecei a acompanhar a pouco, mas sou lúcido o suficiente pra saber da grande importância e da lenda viva que Madonna se tornou e no porque ela se tornou.
Se ela foi a pioneira nesse estilo é claro que viriam outras meninas querendo ser Madonna (quem não queria?) mas até que ponto o querer, o poder e o ser podem ir?
Quando Britney surgiu em 98, ela foi apontada como sucessora da Rainha.
Um título forte pra uma garota que tava só chegando. Britney mostrou que podia ser a herdeira do trono pop.
E mesmo usando muito o playback (o que nenhuma estrela pop se salva nesse quesito) e com suas falhas, talvez ela não seja a maior cantora do mundo, mas Britney é a maior performer que já vimos.
E desde o início Aguilera foi apontada como rival de Britney.
Ela tinha uma voz mais poderosa e talvez o sex appel fosse um pouco forçado, mas Christina conseguiu seu status de ícone na música pop.
É praticamente impossível não se referir a música pop de 90 e 2000 e não se lembrar de Christina. Talvez, arricando-se, eu diria que ela é a maior interprete do meio.
E logo chegou Lady GaGa, bizarra e estranha, lançando singles poderosos e dançantes, mas querendo mesmo mostrar o potencial não só de uma artista, mas de música.
Todas tem o seu espaço fixo no pop, mas isso não basta pra vender disco, a briga vende muito mais, porque a polêmica de rixas entre mulheres chama atenção em qualquer lugar e de qualquer pessoa.
Se colocassem as 4 em um ringue para lutar na lama, teríamos gente vendendo a própria alma para assistir.
É uma besteira, na verdade, pois se todas fazem música, e poderiam somar umas as outras e principalmente unir fãs de cada uma.
As intrigas e apostas de quem vende mais parece mais interessante.
Quem lucra com isso? A gravadora, principalmente, lançamentos agendados em datas aproximadas aumentam as vendas de ambas artistas, como por exemplo os lançamentos de Femme Fatale de Britney Spears e Born this way de Lady GaGa. Quem sairá ganhando? Exatamente não sei, mas as duas vão sair muito bem com toda essa briga.
Mas vamos pensar no seguinte, Britney já tem 10 anos de carreira, é uma veterana.
Ela pôde pausar sua carreira entre 2003 e 2007 e não houve nenhuma queda, pelo contrário, ela conseguiu voltar mais forte do que antes.
Analisem que GaGa emendou três lançamentos consecutivos, apesar de ser a maior estrela pop da atualidade, Lady GaGa ainda não fixou seu nome, qualquer pausa, ela poderia ser deixada no ano em que parou.
Enquanto isso, a esperta Madonna aceitava a vinda de Britneys e Aguileras por aí e ainda pegou e usou bem a imagem delas somando à sua. Todas saíram lucradas com as uniões em algum sentido. Mas será que Madonna aceitou a vinda de GaGa?
Inovadora? Em termos sim, porque fazia tempo que não víamos nada igual, mas pensem um pouco "little monsters", pesquisem sobre Grace Jones, Madonna e Cyndi Lauper na década de 80, David Bowie em 70 e até mesmo Kylie Minogue nos anos 2000. Todas influências na música, estilo e figurino de GaGa. Mas parece que Lady GaGa conseguiu pegar todas essas referências e deixar a marca como se fosse original dela.
Estranho? Não, marketing bem feito. E bem inteligente.
Lady GaGa é uma montagem de pedaços de vários artistas, construindo uma estrela longe da perfeição, mas que vende bem, obrigado.
E depois de tudo isso, porque Christina Aguilera se deu mal no último álbum?
Christina conseguiu se consolidar muito bem durante seus 10 anos, mas em sua pausa na música (nas gravações de Burlesque) surgiram as novas estrelas que conseguiram puxar todas as atenções pra elas.
Christina merece seu reconhecimento, é uma grande artista, mas seu marketing não funciona mais.
Gostaria eu que todos os fãs da música pop pudessem ter algum bom senso e respeitar suas "rivais"! Até onde vamos parar com toda essa discussão sem fundamento?
E até onde podemos chamar uma artista de cópia ou de homenagem inspirada?
Madonna, Britney, Aguilera e GaGa, são todas mulheres com seu espaço e seus talentos diferentes.
Eu como fã de pop e fã de todas elas gostaria de ter um pouco de paz. Obrigado.